<$BlogRSDUrl$>

quarta-feira, janeiro 18, 2006

O meu veneno

O partido Kadima, de Israel, vencerá as eleições para o Knesset(parlamento israelita). De que valerá um partido da mudança ganhar as eleições se os radicais da Autoridade Palestiniana não depõem as armas?
Não seria o caso de a Organização das Nações Unidas obrigarem, mesmo pela força, os radicais do Hamas e da Fatah, a deporem armas para que o processo de normalização das relações entre os dois povos avance e se consolide? Será que o complexo de esquerda que grassa a Europa cega os dirigentes, que ainda não perceberam que a continuarem assim, será a mesma coisa que ter um pelo de crina de cavalo sobre as cabeças, esperando a espada de Dâmocles?


Em silêncio, quase

Chove em Jerusalém! Só, Jeremias
chora a cidade das três pombas.
Partiste em silêncio, quase, deixando
a marca dos dedos no tronco da oliveira.
Nem a voz de Elhoim no canto do shophar
te diverte o gesto no caminho da avenida.
Eu sei! Eu vou para Neguev, e, de lá,
lembrar-me-ei do alfabeto do meu povo
e chorarei, de Aleph a Tau, os lamentos
na miragem do muro que toca o bairro arménio.
Talvez, um dia, em Haifa ou Ramalah,
ou mesmo na Jerusalém encantada
na voz dos muezin, te encontre
sem preconceitos, sem Deus
ou com o mesmo Deus de Abraão,
regressemos às nossas casas
onde olhávamos um para o outro
através das janelas escancaradas
e íamos descobrindo a aventura
das palavras em combustão.
Em silêncio, quase, éramos.

Jacob Kruz

| |

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

AddMe.com, Search Engine Optimization and Submission Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com






br>


referer referrer referers referrers http_referer