<$BlogRSDUrl$>

sábado, maio 31, 2008

a anamnese na parede

uma parede, sempre a mesma face
tão branca como o olhar de ave rapace
que me devora a carne da memória
e na surpresa branca da história

vou construindo a iluminação
como o sabor que reflecte o escanção
no travo da bebida no palato
se abriga a escrita no sentido lato

da frase solta na voz do poema
que ecoa luz feixe arbóreo xilema
a idade que caminha e que se perde
tal qual braseiro de madeira que arde

a cinza na parede é o desenho
feito de tal maneira com empenho
por onde a sombra iluminada e clara
se torna fútil natureza avara.

josé félix

|

sexta-feira, maio 30, 2008

O meu veneno


Plágio ou cópia

Há muita gente que confunde plágio com cópia
Vem isto a propósito do que se passa na Rede com as páginas ditas pessoais, os blogues e outro material publicado na Rede. Plagia-se e copia-se sem qualquer tipo de constrangimento, sem atender aos direitos de autor, morais e / ou patrimoniais. Não se fazem as devidas citações e, quem mais peca são as pessoas que andaram nas esolas, nas academias, nas universidades, e isso entende-se porquê. Pelo acesso privilegiado à informação que existe na Rede.
Numa recente querela havida com o autor de um blogue permanceu a confusão entre plágio e cópia.
Ora, um plágio é uma atitude que um sujeito toma ao assinar ou apresentar uma obra intelectual, seja de que natureza for, contendo partes de uma obra que pertença a outro autor sem afirmar os devidos créditos ao autor original. O plágio é uma forma subreptícia de fazer parecer uma coisa diferente do original. não é!
Uma cópia é uma reprodução pura e simples do original, sem créditos, sem designar de onde copiou e quem é o autor.
Ambas são condenáveis e puníveis nos termos da lei. Condescender, por qualquer razão, com atitudes de forma a branquear o prevaricador é, no mínimo, moralmente baixo. O exemplo vem do Governo que governa este país, das instituições públicas, da Comunicação Social.
José Félix


na arquitectura do tempo


desfeita geometria
é o que resta
do conjunto poligonal.

da sombra da cidade
só a memória sombria
retém o beijo
sob a capela da árvore.

são traços, perspectivas distorcidas
na arquitectura do tempo

josé félix

|
a fuga da língua .8


a palavra cede
à região do corpo

na porta dos braços
o espanto segue o gesto

da paciência navegada
na justificação da água.

josé félix in a fuga da língua

|

quinta-feira, maio 29, 2008

a fuga da língua 7


a frase solta liberta
a alegria transformada

na árvore que sorve a brisa
passeando nas ramadas

dos plátanos da avenida.
o sussurro dos amantes

esconde-se em cada mão
com o olhar a reaprender

uma palavra ao acaso.

josé félix in a fuga da língua

|
O meu veneno

Um caso de polícia

Pois é, caros amigos. Vocês que me lêem desde o ano de 2003, e pode comprovar-se pelos arquivos que mantenho no blogue, à vista de toda a gente, sabem que ele existe, de facto, desde aquele ano da graça de Cristo.
Andava eu rodando os meus botões, contente por saber que o plágio e o roubo intelectual ainda não me tinha visitado. Enganem-se meus caros amigos. Eu fui não só visitado mas roubado descaradamente desde Janeiro de 2008.
Alguém com uma mente mesquinha, sórdida e de filha de putice, criou um blogue aqui com o mesmo nome, com o artifício do apóstrofe, e copiando, ipsis verbis o lema do meu blogue, esse sim, A Teia da Aranha, comprovada a idade de 6(seis) anos.
O criador ou a criadora desse blogue pensa que pode ficar impune com o atrevimento, mas não. Não pode. O meu blogue está devidamente registado como material electrónico no I.G.A.C. e vou proceder, de imediato, contra os ladrões de criação literária.
José Félix

|

quarta-feira, maio 28, 2008

não vou ao porto

pois é, caros amigos, eu não vou
para a cidade invicta, o tal porto
onde se chega e parte, de silêncio
vestido de costumes, tradição
enraizada desde a boavista
à pútrida ribeira enviezada
a chocalhar a água dos turistas
que vão até ao pocinho à beira-tua.
vou ficar por aqui, por compromisso;
vou fornicar na sexta-feira, dia
das bestas e fantasmas, menorah
aceso com as oito velas brancas
como a matraca da paixão de cristo
a relembrar judah, o macabeu
desbaratando o grego antióquius.
vou ler um livro pornográfico, a
marca dos avelares, sexo duro
e fazer tudo aquilo que eu não faço
nos sete dias da semana, porque
a profissão que é puta, além
de me dar o salário, come os dias
até ao núcleo da carne pedinte.
pois que se foda a escrita, a poesia
travesti de emoções, os choramingas,
doce mascavo de masturbação
subliminando as perdas, a vagina
que não se conseguiu guardar por anos,
e ânus cerebrais a guardar merda
de pacotilha, como se eles fossem
fernandos, os pessoas heterónimos;
depressões bipolares na chatice
da vida, da vidinha de cronómetro.
à terça-feira faz aquilo, à quarta
dá uma nega com aquela frase
do excesso de trabalho, dor no peito
e ela sempre com dor de cabeça.
vou ficar por aqui, com esta minha
mesquinharia, e reler o larkin,
complete plays of sarah kane
, a tora
para ver se esta febre amaldiçoada
me deixa em paz, de vez, e para sempre.
e se não conseguir resolução
para os problemas que são meus, e que
são os mais importantes do planeta,
sem pudor, constrangimento qualquer
vou masturbar-me desalmadamente
porque é isso que me diz o psiquiatra
e resolver definitivamente
─ aqui há o problema temporal ─,
a castidade possível e virgem.
eu depois durmo como se tivesse
de raiva, possuído a mulher do próximo.
não sei o que farei ao acordar.
talvez eu olhe para o lado e tenha
sorrisos de ternura para aquela
que pensa que é mulher da minha vida.

josé félix

|

sexta-feira, maio 23, 2008

“Da Humana Condição”
Novo Livro de Poemas de José-Augusto de Carvalho, de Portugal


“É na regularidade da paisagem,
e, por extensão, da descrição poética
dela, que nos deparamos com o inusitado
que quebra a expectativa e faz peculiar a
poética (...) – Ademir Demarchi – Escritor e
Editor da Revista Babel

Além da belíssima apresentação gráfico-estética da edição (Edium Editores, Portugal, Estúdios da Edium Editores, Março 2008), o livro de poesia “Da Humana Condição” de José-Augusto de Carvalho, de Portugal, é uma nova excelente coletânea de poemas novos, de sua mais recente safra como sempre fora de série. Janelas – tábuas de esmeraldas? – de águas e lodos, de apontamentos e desapontamentos, da própria humana condição revisitada com olhares poéticos lustrosos (para o bem e para o mal), registrando verbos, lavas, larvas, perdições, análises em rotas letrais próprias, sensíveis. Tristemente sensíveis. A esperança já não se renova a cada dia, ou a esperança é a inteligência da vida?. Ou um experiente olhar afinado, como o do autor poeta, depurando a realidade, é também olhador de tudo de ruim e pressente para onde caminha a humanidade, em sua condição de caos anunciado, caos urbano, arrebentações de toda ordem? Ler e refletir sobre.

Pinturas literais de seu tempo se afinando, na medida do possível com os olhares severos fazendo releituras, tocando destemperos, fermentações, tristezas, utopias. Xavier Zarco (Coimbra), muito bem o define: “Poemas no seu esplendor (...) Não podemos manter o olhar cerrado (...) A condição humana se desnuda perante o nosso olhar (...)” Panoramas, nostalgias, banzos literários dentro de óticas humanistas: “...O verbo unindo horizontes/Com as cinzas ergueu pontes/De constante renascença” (pg. 57). Soberano no estúdio de sua alma, amargo ou crítico, ou na inevitável sofrência própria dos seres extremamente lúcidos para esses tempos tenebrosos (a pós-globalizaçao do crime organizado do neoliberalismo como um câncer social em detrimento do chamado humanismo de resultados), segue José-Augusto determinado, consciente e sábio o amigo virtual (lincado nesse mundo pelas infovias da net/web); mas também raro e rico amigo livral (presencial pelas obras portentosas que generosamente nos envia), José-Augusto de Carvalho está cada dia mais profícuo; cada dia melhor nos acabamentos, no auge criacional de sua vida-livro, inclusive com os seus novíssmos e importantes poemas que o retratam altamente produtivo, já que regulamente nos envia por e-mail suas produções e derramas, como um achador residual de se colocar na vida como parte alegre-triste dela, lendo a vida contemporânea, a dolorosa tábua da vida, como um testemunho de sua própria afirmação como ser entre os que se parecem com alguma coisa próxima do Ser (inclusive e principalmente socialmente falando), dando registro sério de sua época, de sua existência como ser humano e como humanista, ainda delatando os contrastes de seu tempo com olhares que estão acima dos campos de lavanda dos sonhos. José-Augusto de Carvalho nasceu em 20/07/37, em Viana do Alentejo, Portugal, tem já outros importantes livros como: Arestas Vivas (1980), Sortilégio (1986), Tempos do Verbo (1990), Vivo e Desnudo (1996), Nós Poesia (2002, como Lizete Abrahão), A Instante Nudez (2005) que tive o prazer de resenhar (um dos melhores livros de poemas que li em minha vida), e agora este seu da “Humana Condição”. Espero (esperamos) que José-Augusto de Carvalho continue com seu tear, na lida, pois o enorme prazer da leitura que nos encanta com trabalhados versos de qualidade, além do acabamento gráfico-editorial o que nos apresenta o trabalho literário de cara e capa, na beleza da obra que se reafirma pelo conteúdo enquanto riqueza lítero-cultural de um poeta na mais bela condição humana de poetar com gabarito e quilate: “As vezes o silêncio esmaga/O tumulto das palavras (Verbo de Pedra, pg 51). O livro é um atual depoimento poético “de homens em tempos sombrios”, para lembrar Hannah Arendt, em Entre o Passado e o Futuro/A Condição Humana.
-0-
BOX
Da Humana Condição
Edium Editores
E-mail: ediumeditores@gmail.com
ISBN: 978-989-8169-01-3
-0-
Silas Correa Leite, Itararé, São Paulo, Brasil
E-mail: poesilas@terra.com.br
Blogues:
www.portas-lapsos.zip,net
www.campodetrigocomcorvos.zip.net


|
O meu veneno


tomar um poema como oferta

o autor constrói o texto, o poema. é o criador genético da massa criativa de que faz a escritura. o texto é meu, ou seja, do autor. guardo-o. o texto, o poema, permanece anónimo e sem dono porque ninguém o conhece. é um texto, um poema incógnito.
o leitor, com a sua leitura e análise crítica, dá ao texto, ao poema, um pai, um dono. a partir do momento em que o poema se me apresenta para a leitura múltipla, eu tomo posse dele. com a minha arte de conhecer as vias ocultas do poema, ou as vias ocultas de poema para poema. relemo-nos nos poemas que lemos, por isso os possuímos com um sentimento «quase» carnal. o leitor / analista crítico toma posse do poema e deixa de pertencer em exclusividade ao criador. de leitor para leitor o poema é sujeito à multiplicação das metáforas:"sentir, sinta quem lê"[fernando pessoa], e o sentir dispersa-se em cada leitura. o leitor dá vida / vidas ao poema que se transforma como um texto de uma peça de teatro conforme cada encenação.
levo e tomo os poemas como oferta. são meus. a partir deste momento dou-lhes a natureza que quero porque me pertencem mesmo que me disperse ideologicamente do autor dele, fazendo o clinamem ou seja um encobrimento, uma má leitura.
os poemas em questão, os tais que eu tomei como oferta, num sentimento de posse exclusivo são poemas de um autor que já ultrapassou a angústia da influência, essa doença astral dos poetas que se limitam a ser precursores, ou só tem resquícios dela e, não sendo, portanto, um efebo da poesia, é um autor diabolizado. O autor atinge a demonização ao referenciar-se de poema para poema. o percurso é ser ele o precursor dele próprio num movimento autopurgativo. daí o meu gosto de ler estes poemas e tomá-los como meus, fazendo deles a minha própria angústia, angustiando-me com a angústia da escrita do pai dos poemas.

josé félix


ESGOTO A NOSTALGIA

tenho a nostalgia dos lugares vazios

escrevo um verso ao abandono
para o preencher lendo

acabo por ficar
estranho
e vazio

é

aí que cheguei
ao exagero quase cómico

já posso dançar
pedindo mão de dama
para poder lhe colocar a mão

"onde as costas mudam de nome"

e

esgoto a nostalgia com gosto

*.*
sem medo

I
sei dos dias
o tempo que conheço
neste versos

onde medro
para crescer livre

um verso sem medo!

II
sei dos dias
os cinco dedos
de uma mão cheia

em meia dúzia
de versos

em cada verso versado!

III
sei dos dias
a canção da luz
com as suas cores

nos cambiantes naturais
onde se sentem

as horas do dia a passar!
Assim

#

DIA 143 DUM ANO BISSEXTO
Janeiro+Fevreiro+Março+Abril+Maio
31+29+31+30+21=143

#

O OVO DO POEMA

a água lisa alisa o dia
deixa passar deste
horas em poesia

os versos vêm
poisar ave

põe

O

ovo

dum poema
nascem versos

horas em poesia
deixam passar este
dia que água lisa alisa
Assim



*.*
ACABADO DE PÔR

há quem saiba tudo, eu sei pouco
e nada, quase sempre tenho
de me deitar a adivinhar

ter esta experiência da vida
é experimentá-la

em cada verso poema completo!
Assim__._,_.___

|

segunda-feira, maio 19, 2008

O meu veneno

O que é um blogue?

Parece-me que não há consenso entre os bloguistas acerca do que é um blogue. É simples. Um blogue é um registo cronológico de tudo o que se quiser colocar, além de permitir os posts (comentários imediatos) registados, também, crnológicamente. Um blogue contém emoções, opiniões, imagens e todo o tipo de texto actualizado frequentemente. Um blogue é dinâmico, uma página pessoal é estática. Se não actualizarmos com frequência o blogue, este deixa de ser um blogue.


a fuga da língua .6


é na nervura da língua
que o tronco rugoso aquece

procuro-te suave
seiva que vem das papilas

como um corpo descoberto
na oferta pronunciada.

josé félix in a fuga da língua

|

sexta-feira, maio 16, 2008

"às vezes, sim significa não"[1]
josé luís peixoto



eu tenho a certeza de que sim;
morro para a maioria das pessoas
e até para os meus amigos de infância
cuja adolescência e vida adulta
colocam na sombra da memória
o nome próprio, atrás do espelho.

uma fisga, uma palavra, uma expressão,
uma frase, as mãos nos bolsos, às vezes vivem-nos
para nos morrerem no segundo seguinte
tal zapping do comando do televisor.

por isso, a vida vale o que querem
que os outros valha;
há mortos com importância nos vivos
e vivos sem a importância dos mortos
a vaguear fantasmas e fantasias nas paredes das casas.

eu tenho a certeza de que não vivo
para a maioria das pessoas
e até os meus amigos de infância
quando me vivem
sou a sombra da morte crescida
no meio do autoclismo urbano.

os outros, os inimigos,
são uma invenção das circunstâncias.

dizer sim é tão fácil como dizer não.

josé félix
2008.5.16


[1] in revista "visão" de 2008.5.15

|

quinta-feira, maio 15, 2008

O meu veneno

O país duplicado

Temos um país duplicado. Um estado de direito para os governados e um estado de direito para os governantes. Uma justiça para os homens de colarinho branco e uma justiça para o povo. Taxas para as grandes empresas menos onerosas e taxas mais caras para as pequenas e médias empresas. Temos uma ASAE que multa quem fuma e um Director Geral da ASAE que fuma onde não deve. Temos um primeiro-ministro que fuma onde não deve mas que proibe o governado de fumar em aviões, restaurantes sem espaço próprio para fumadores.
Apesar de o primieiro-ministro ter pedido desculpa publicamente não o inibe de ser sancionado pela lei com a devida multa para além de ser sancionado pelo povo que governa e tem que cumprir a lei sob o peso da justiça.
Neste país duplicado não vai demorar muito tempo para que alguém se desculpe com a falta de moral do primeiro-ministro para não pagar multas após prevaricação da lei.
É o país que temos e que merecemos.


a fuga da língua .5


é plácida e ilúcida
a serpente da palavra

na pele sete vezes renovada
vêm cânticos de futuro

procuro-te como guilgamesh
ó som imortal perdido

no eco profundo do poço.

morre-te! vive-te!

josé félix in a fuga da língua

|

quarta-feira, maio 14, 2008

a fuga da língua .4


no ombro a dor de uma palavra
suporta-se como a lavra

inculta ou a seara seca
onde a semente que peca

germina ao sabor da água
a seiva que vem da língua.



josé félix in a fuga da língua

|

terça-feira, maio 13, 2008


A Edium Editores e o autor, Luís Ferreira, convidam-no para o lançamento do livro de poesia "Rio de Sal" a ter lugar no auditório da Biblioteca Municipal do Barreiro, no próximo dia 17 de Maio pelas 17h00.
O autor e a obra serão apresentados pelo poeta Xavier Zarco.
No evento serão declamados poemas da obra por Ilda Oliveira.



|

segunda-feira, maio 12, 2008



A unidade em poesia

É difícil de encontrar unidade num livro de poemas. Do que tenho lido e do que tenho visto em muitos autores, principalmente nas últimas publicações, o que eu vejo é uma série de poemas dispersos com um título. Ora, se o título é importante, de nada vale se não houver unidade nos poemas. O título é uma extensão desse fio condutor que os poemas devem ter.

A poesia é a arte maior da escrita e, como tal, é urgente aprimorar a estrutura poética e o disurso poético no livro de poemas.

Por isso é com muita alegria que leio "Portograal" de Joaquim Fernando Fonseca editado pela Edium Ediores , e que encerra os ingredientes necessários: unidade, um fio condutor entre as três divisões do livro, um todo poético cuja pérola é o Quinto Império tão caro a Pessoa e a António Vieira, o padre. Uma viagem pela escrita minimalista onde ecoam as quadras populares, aqui sempre livres, e da recordação delas, a rima. A partida, a preparação da viagem e, enfim, a revelação alquímica no graal, onde o orvalho de maio é uma escrita sóbria mas com a substãncia necessária para prender o leitor a saborear cada poema, pensando em cada ideia intrínseca.

É um livro pretencioso, por que não dizê-lo, na medida em que transmite a essência de ser português, o gosto pela água, líquido primordial que faz de cada um de nós um permanente viajante a plantar a língua nos quatro cantos do planeta.

Parabéns ao autor por esta peça bem construída, com cabeça, tronco e membros, e que nos dá uma história da História de Portugal. O livro, prublicado nos finais de 2006, apesar da data, não é um livrio datado. Ler-se-à, sempre, em qualquer época.

"Descobrir Mundos Nunca menos
Querer partir sem poder voltar
E permanecer fiel Permancecer eterno
À alma À vida e ao Mar"

in Partida, de Portograal

"O mar não é repetitivo
Até podia ser Mas não
Repetitiva é a ondulação"

in Viagem, de Portograal

"Partir E tendo partido
Navegar E navegando Descobrir
Ter sido a mão de deus O Mar

E chegar
E tendo chegado Encontrar
Cravada no Graal A nova Excalibur"

in A Revelação, de Portograal


José Félix


|
O meu veneno

O humor tosco de "Os contemporâneos"

Fazer humor é uma arte o qual só alguns têm a capacidade e o discernimento para «saber tocar» em alguns pontos quentes de determinada sociedade. Ora, sabendo que a sociedade portuguesa ainda está atada nos princípios católico apostólico romanos, é de muito mau tom fazer humor com aquilo que é bastante prezado por alguns sectores dessa sociedade.
Depois dos Gato Fedorento, que tão bem souberam criar personagens humorísticas e cómicas acerca da religiosidade das pessoas, e também sobre política, vêm agora os Contemporâneos desfazer o que tinha sido bem feito. O sketch acerca da aparição da Senhora em Fátima é de muito mau gosto e, confesso, desde que apareceram na televisão ainda não conseguiram tirar-
-me, sequer, um sorriso. Não sou religioso, portanto não me fere o humor de faz-de-conta. O humor deve ser abrangente e não só para determinados sectores da sociedade. Se não se pensa assim agoira-se uma curta vida para aqueles que querem fazer do humor balas de ricochete.
Pode-se brincar com a religiosidade das pessoas, sim, só que é necessário saber «como».

a fuga da língua .3


partiste. deixaste um som
na campânula da água
onde um pássaro poisou.

uma palavra de vento
foi o manto que cobriu
a boca; o anúncio de espanto.



josé félix
in a fuga da língua

|

domingo, maio 11, 2008

a fuga da língua .2



encontro-te despojada
sem as vestes, sem a adaga

que corta, fere, apaga
uma língua desejada.

é erótica a pronúncia
no crescimento dos ramos

e na seiva se faz núncia
dos frutos que comemos.


josé félix in a fuga da língua

|

sexta-feira, maio 09, 2008

O meu veneno

Peço as minhas escusas aos leitores que têm este espaço como visita regular. As contrariedades apanham-nos de surpresa, às quais temos que fazer face, e o tempo, esse escárnio do ócio, é implacável.
Assim, e voltando ao veneno que caracteriza este espaço, vamos tecer algumas considerações acerca do mau fado que o Acordo Ortográfico está a ter. Já disse em anteriores textos que mais nenhum país fez acordos ortográficos como a forma de unificar a língua em determinados espaços. Espanha, Inglaterra, França, Holanda e Alemanha fizeram algumas mudanças necessárias nas suas línguas sem qualquer tipo de acordo com outros espaços falantes.
Não entro em delírio por o Brasil falar e escrever de modo diferente algumas palavras portuguesas. O português do Brasil tem a especificidade do contexto espacial em que se move; o português de Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Timor, Goa, tem a especificidade destes espaços. Há palavras destes países e regiões que entraram, e bem, no léxico da língua portuguesa. Portanto, não há que unificar coisa alguma. Não me importo que seja úmido no Brasil e húmido em Portugal. Não me importo que em Angola se use o "K" ou o "W" em algumas palavras de origem kimbundu ou de origem umbundu ou tchoqwe. É a língua portuguesa a movimentar-se naquelas regiões.
Por isso sou frontalmente contra qualquer tipo de Acordo Ortográfico por se mostrar absolutamente inócuo.

a fuga da língua .1


perco-te na superfície
da água. como um artífice

procuro o corpo no texto
na reflexão do pretexto

de encontrar a sedução
da pronúncia, a oração

religiosa do corpo
sem mácula e sem estupro.

josé félix in a fuga da língua

|

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

AddMe.com, Search Engine Optimization and Submission Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com






br>


referer referrer referers referrers http_referer