<$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, junho 29, 2009



















Quadro de Domingos Mota - 1919 Salão Nobre da Casa do Alentejo

brincadeira de mulheres

brinca o ventre na mão que te sossega
a euforia no jogo de cabra-cega.

uma criança cobre a criança-mãe
o salto lúdico que no vai vem

do sopro, na transparência do linho,
desenha o corpo onde se acoita o ninho.

é porque espreitas os seios desnudos
que o desejo cala todos os medos.

a flora brinca na clara clareira
obedecendo ao jogo da fogueira.

deitada sobre as ervas de nocturno
espera a paciência de fauno.


josé félix


|

segunda-feira, junho 15, 2009

1


um lírio vermelho
solta-se dos dedos

a água leva o sonho
com os olhos de água


josé félix in no caminho há flores

|
O meu veneno

Écfrase e descrição ecfrástica

Peço desculpa aos meus leitores mas enquanto a polémica existir na Rede acerca do poema ele será colocado, sempre, aqui, de vez em quando.
Uma descrição ecfrástica é uma descrição literária de uma obra não literária. A palavra écfrase, do grego ecphrasis quer dizer «recriação». As descrições ecfrásticas já vêm desde Dionisos de Halicarnasso (seculo I a.C)e foi utilizada por Homero, Virgílio, Keats. A écfrase " conduz-nos a um exercício reconstrutivo do que foi examinado, querendo interferir subjectivamente nas qualidades do objecto."


José Félix


|

sábado, junho 13, 2009

O meu veneno


Doença: ditadura
Sintoma: censura, medo, perseguição, atitude persecutória

O meu amigo e poeta Xavier Zarco, editor de Temas Originais, Lda saiu a terreiro em Escritartes para defender a pluralidade de expressão depois de eu próprio ter sido censurado num poema com o título "helen de rose" que está em vários sítios da Rede. O poema em questão só foi censurado e apagado em foruns dirigidos e administrados por cidadãos portugueses.
Já disse que após o meu poema ter sido retirado pedi para apagarem o meu perfil, bem como os meus textos.
Aqui está uma prova de uma atitude censória e de perseguição a quem defende o pluralismo de espressão, consagrado no texto fundamental da Constituição da República Portuguesa. O poeta Xavier Zarco foi excluído de Escritartes após troca de mensagens com uma «Moderadora Global» do sítio que começou por colar algumas palavras como se fossem quadras, de muito mau gosto e sem qualidade literária parecendo uma dor de varizes que tivesse que aquietar e,por fim, bloqueou o tópico respectivo.
Se excluiu o perfil de Xavier Zarco, o mínimo que se exige a um carácter bem formado é que se apague a informação adjacente. No todo, resta o comentário de Júlio Saraiva, sempre pertinente.
O meu poema está em vários sítios na Rede, brasileiros e portugueses. Só nos dois únicos sítios dirigidos e administrados por cidadãos portugueses é que o meu poema foi retirado, sem apelo, vergando a cerviz a um «avatar» que faz da psicopatia o seu alimento.
Hoje, o sítio está indisponível, até para novos assinantes, o que prova a incapacidade administrativa do sítio em arcar com as responsabilidades das atitudes tomadas.
Além disso, a «Moderadora Global» fechou o blogue pessoal dizendo que foi devido a um vírus.
É o medo e o constrangimento em receber notícias acerca deste e de outros assuntos semelhantes.
Resta-me agradecer a abertura de sítios do Brasil que não alinharam nestes actos de censura e têm tido a abertura essencial o que demonstra, por isso mesmo, um desenvolvimento cultural que Portugal ainda não atingiu.
José Félix

|

Poema 22 in Teoria do esquecimento


video



22



a casa é o precipício onde
a infância morre na traição do fruto.
é de passagem, a casa, na escrita,
reconstruída ruga a ruga com
a parcimónia da literatura.
os quartos, a salinha, o corredor,
um vaso velho com papeis inúteis
e até a voz da família ausente
está presente no eco das paredes
com a fotografia de duendes
a segredar-nos conversas.
a casa: envelhece com a idade
de quem a habita na memória, mesmo
que a infância permaneça viva, ténue.



José Félix, Teoria do Esquecimento, Temas Originais, Lda, Coimbra, 2009


|

sexta-feira, junho 12, 2009

O meu veneno


Depois de um poema meu, helen de rose", ter sido censurado em Escritartes e Luso-Poemas, coloco aqui um poema do poeta cubano Reinaldo Arenas
(Holguin, 1943 - Nova Iorque, 1990).

CONTRIBUIÇÕES

Karl Marx
não teve nunca sem sabê-lo um gravador
estrategicamente colocado no seu sítio mais íntimo.
Ninguém o espiou do passeio da frente
enquanto rabiscava à vontade folhas e mais folhas.
Pôde inclusive dar-se ao luxo heróico de maquinar
pausadamente contra o sistema imperante.
Karl Mrax
não conheceu a retractação obrigatória,
não teve por que suspeitar que o seu melhor amigo
podia ser um polícia,
nem, muito menos, teve de se converter em polícia.
A pré-fila para a fila que nos dá direito a seguir na fila
onde afinal o que havia eram recargas para
agrafador («E já se acabaram, camarada!»)
também lhe foi desconhecida.
Que eu saiba
não sofreu uma imposição que o obrigasse a rapar-se
ou a extirpar a sua anti-higiénica barba.
A sua época não o cominou a esconder os seus manuscritos
do olhar de Engels.
(Por outro lado, a amizade destes dois homens
nunca foi «preocupação moral» para o Estado.)
Se alguma vez levou uma mulher para o seu quarto
não teve de guardar os papéis debaixo do colchão e,
por cautela política,
lhe fazer, enquanto a acariciava, a apologia do Czar da Rússia
ou do Império Austro-Húngaro.
Karl Marx
escreveu o que pensou
pôde entrar e sair do país,
sonhou, meditou, falou, tramou, trabalhou e lutou
contra o partido ou a força oficial imperante na sua época.
Tudo isso que Karl Marx pôde fazer pertence já
à nossa pré-história.
As suas contribuições para a época contemporânea foram
imensas.

Reinaldo Arenas, Poesia Cubana Contemporânea, Dez poetas, selecção, prefácio, notas, Pedro Marquês de Armas, Tradução, Jorge melícias, Antígona, 2009

|

quarta-feira, junho 10, 2009

O meu veneno


Eu peço as minhas escusas mas volto à carga com o processo de censura nos sítios Escritartes e Luso-Poemas. Até agora não recebi qualquer resposta à minha interpelação em Escritartes o que dimensiona falta de carácter por a Administração do sítio ou quem a representa, não ter feito um pedido formal de desculpa por terem devassado o meu endereço de correio naquele espaço. Não o fiz publicamente por uma questão de simpatia para com alguns membros daquele grupo mas não me restará outra alternativa se, entretanto, não receber uma mensagem que seja a falar sobre o assunto.
Subliminarmente já foram enviados alguns textos acerca do assunto e a Administração do sítio ou quem a representa fez, até agora, ouvidos moucos.
A devassa de correio, seja em papel seja em modo digital é crime e punido nos termos da lei.

RENGA DE ANIBAL BEÇA E JOSÉ FÉLIX
Em memória do haijin Wenceslau de Moraes,
quem primeiro cultuou o haicai em Portugal.




1.
Silêncio no lago -
o vento frio vai levando
o que voa leve.

Anibal Beça

a pétala de jasmim
desliza na borla da água

josé félix


2.
Chuva passageira -
as notícias de ontem vão
da sarjeta ao bueiro

Anibal Beça

No barquinho de papel
viajam as mãos meninas


José Félix

3.
Casa abandonada -
apenas se ouve o cri-cri
de um grilo na hera

Anibal Beça

na lombada da janela
a gaiola pequenina.

josé félix


4.
O espelho reflete
um rosto desconhecido -
outro outono passa.

Este já não é o pássaro
que cantava claro e forte.

Anibal Beça


5.
no cair da folha
parte a última andorinha -
O sol perde o brilho.

José Félix

À toa, à toa, uma lua
cresce ao fundo da campina

Anibal Beça


6.
Nas folhas do livro
uma pétala de rosa -
palavras antigas.

José Félix

No parque um menino joga
um pouco de milho aos pombos

Anibal Beça


7.
As rugas cativam
as mãos frias no cabelo -
círculos de água.

José Félix

Formigas em fila carregam
as últimas folhas verdes

Anibal Beça


8.
No chão do pomar
se vê um outro crepúsculo -
os caquis maduros

Anibal Beça

à sombra do caquizeiro
vão caminhando os sapatos.

José Félix


9.
Pouquíssimos talos
oscilam na grama seca -
Vento de outono.

Anibal Beça

o rato do campo esconde-se
no ninho dos perdigotos

José Félix


10.
O que tanto falam
estes velhos na pracinha?
Palavras, palavras

Anibal Beça

As tábuas da mesa antiga
tremem sob os nós dos dedos


José Félix

11.
Leveza de vôo -
Ah, se as palavras pousassem
como esta libélula

Anibal Beça

As folhas secas deslizam
Sobre a água transparente

José Félix

12.
A tarde se põe
em tons vivos de amarelo-
jardim de crisântemos

As nuvens passam ligeiras
contrárias ao caminhar

Anibal Beça


13.
Um rebento novo
à sombra da bananeira-
Um velho e um jovem

Na celha a roupa lavada
espera pelo varal

José Félix

14.
Tarde de outono -
o bambu se curva ao vento
mas não se quebra

Anibal Beça

Voa, voa andorinha
leva o caminho do sul.

José Félix

15.
Os patos selvagens
em viagem descem famintos -
plantação de arroz

De porta em porta o romeiro
estende sua tigela

Anibal Beça

16.
O tosquiador
pousa a tesoura afiada -
ovelhas na várzea

Batem teares antigos
guiando o fio de lã.

José Félix

17.
A primeira lua
tão cheia e tão amarela!
Bênçao para os olhos.

Prilampos no quintal
e a Via Láctea tão nítida

Anibal Beça

18.
O velho bonsai
é um jogo de paciência -
sombra na parede.

As palavras de Bashô
estão coladas no tempo.

José Félix

19.
Na manhã de frio
um sabiá na neblina
chama pelo sol

Depois de uma noite longa
muitas luzes ainda acesas

Anibal Beça

20.
Na manhã de orvalho
gotas de água no pé de arroz -
um colar de pérolas.

Na margem do rio Sado
duas sombras de flamingos.

José Félix

21.
Eclipse de outono -
refletida na parede
meia-lua apenas.

Anibal Beça

No plátano dois pardais
sacodem as asas húmidas

José Félix


22.
Finzinho de outono -
Ah, cigarra cantadora
já cantas tão longe...

Anibal Beça

Os olhos do gato seguem
as sombras por entre os choupos.

José Félix

23.
O primeiro sol
leva as asas da cigarra -
juntam-se as formigas

Os meninos camponeses
debulham o milho na eira

José Félix

24.
Uma folha seca
pousa no chapéu do ancião -
Visita ao asilo

Em cada nó na tarrafa
uma outra história tecida

Anibal Beça

25.
Passa um funeral -
murcha a última papoila
na seara de Beja.

Nos beirais alentejanos
os ninhos estão vazios.

José Félix

26.
Na noite comprida
vagarosos são os passos
até o banheiro

Há tempos que o sono solto
se interrompe mais de uma vez

Anibal Beça


27.
Casa abandonada -
nas portas escancaradas
entram folhas secas.

A furgoneta carrega
uma cadeira e a mesa.

José Félix


28.
Trinados de pássaros
embalam velhas memórias -
calmo cemitério

O vento nas folhas secas
inventa um murmúrio de ondas

Anibal Beça

29.
Bengala esquecida
no tronco da cerejeira -
regresso às origens.

Rasto de passos pesados
marcam os sulcos da terra.

José Félix

30.
Noite longa -
a lua cheia é a mesma
mas não os ruídos

O que se ouvia tão forte
agora se ouve baixinho

Anibal Beça

31.
Amanhece o dia -
há montes de folhas secas
na borla do lago

os pescadores furtivos
acoitam-se para a sesta

José Félix

32.
no dia de outono
um novo olor no jardim -
orquídea florida.

As abelhas jandaíras
preparam nova colméia

Aníbal Beça

33.
Aroma a tabaco -
os apicultores limpam
com fumo os cortiços.

Ouve-se o zunir das abelhas
a rondar o campo de urzes

José Félix


34.
Antes da chuva
folhas arranham a porta -
Vento de outono.

Anibal Beça

Correm coelhos no montado
pouco antes de anoitecer.

José Félix


35.
Esta lua cheia
também estava por lá -
primeira paixão.

Anibal Beça

Aqui os bicos da lua
arredondam ao contrário

José Félix

36.
O outono se vai -
à porta entre folhas secas
a carta esperada

Anibal Beça

Na mesa de castanheiro
há muitas cartas antigas

FIM


|

terça-feira, junho 09, 2009

A censura anda à solta


No dia 16 de Dezembro publiquei um soneto que é uma descrição ecfrástica de uma fotografia nos sítios Escritartes e Luso-Poemas.
A fotografia foi (não sei se ainda lá está) publicada de modo público naqueles sítios da Rede e ela suscitou-me a écfrase no soneto indo buscar o meu saber e conhecimento para realçar alguns aspectos daquela fotografia.
Um dos associados, neste caso no sentido feminino, começou uma altercação desejando que a fotografia fosse retirada do poema bem como o respectivo nome. Eu não sei se a denominada "helen de rose" é mesmo a proprietária deste nome ou se é, como acontece milhões de vezes, um avatar, uma alcunha, um pseudónimo. Procurei na Rede e verifico que aquele nome é tudo menos pertença da denominada "helen de rose" que, penso, é um cognome retirado das práticas para-esotéricas chamadas de auto-conhecimento e que levam a denominação de "Rose" como o método "DeRose" de yoga.
O poema, conforme os leitores podem verificar, não insulta, não insinua, e é, tão só, uma descrição literária de uma fotografia e não da pretensa dona da fotografia.
A denominada "helen de Rose" ameaçou a Administração dos dois sítios e eles fizeram como Salomão: expulsaram a utilizadora dos sítios e apagaram o meu poema num acto atentatório das liberdades, garantias e direitos que prevalecem neste país, segundo a Lei Fundamental, apesar de, por exemplo em Escritartes, no ponto 1.1 do regulamento do sitio dizer que o lugar é plural, na altura de registo.
De imediato pedi o cancelamento do meu perfil e requeri que apagassem todos os meus textos.
Entrei com outro perfil para informar a Administração acerca da denominada "helen de rose" e as patranhas que utiliza na rede e, até agora, não recebi qualquer informação, isto depois de terem devassado a minha caixa de correio, tendo visionado como o "Grande Irmão" as mensagens que dirigi a outros membros.
Trinta anos após a revolução de Abril, a mentalidade de Salazar ainda perdura em muitas cabeças, mesmo que essas cabeças tenham nascido após a revolução.

José Félix

|

segunda-feira, junho 08, 2009

Can we built also in this way
an entire voice of the world?
Constantino Alves



A voz é única, cantada mil vezes
única nos lábios.
A voz dispersa-se nas mil bocas
─ cada uma abre a semente à sua maneira
em cada ovo gerado.
Sai prisioneira de Tântalo
que serve de repasto aos corvos.
Com o tempo Niope perderá os seus filhos
mortos um contra o outro e Europa
com a mão sob o queixo chorará
porque não foi convidada para a ambrosia e néctar.

Talvez, um dia, Pelops desmembrado pelo próprio pai
renasça da sede e dos frutos e do caldeirão mágico
venha uma voz única, que se espalhará
pelo Olimpo.


José Félix

|

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

AddMe.com, Search Engine Optimization and Submission Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com






br>


referer referrer referers referrers http_referer